Diabetes afeta a cicatrização da micropigmentação?

Diabetes afeta a cicatrização da micropigmentação?

     A discussão que envolve micropigmentação e diabetes é extensa. É fato que o trabalho estético ajuda pessoas que desejam acordar prontas para enfrentar os desafios do cotidiano sem perder muito tempo em frente ao espelho. Entretanto, o profissional que realiza a micropigmentação precisa tomar alguns cuidados para realizar o procedimento com sucesso.

O fator que implica diretamente nos resultados é, entre outros, a condição de saúde da cliente. O micropigmentador deve conhecer o histórico médico da cliente para não ter problemas no futuro. Para isso, é necessário utilizar a ficha de Anamnese, onde serão preenchidos  todos os fatores que podem ou não atrapalhar no procedimento. Um destes tópicos é o diabetes – que é caracterizado por deficiência na produção de insulina – e pode dificultar a cicatrização.

O procedimento de micropigmentação consiste em fazer pequenos cortes na face e implementar pigmento na epiderme, a segunda camada da pele. Por conta disso, é essencial saber se o diabetes de sua cliente afeta ou não a coagulação, fator que depende da intensidade da doença.

Para a segurança de ambas as partes, é ESSENCIAL que a cliente possua um atestado médico afirmando as condições de realizar o procedimento. Assim, o micropigmentador pode executar o trabalho sem nenhuma complicação. Existem profissionais que fazem o procedimento sem atestado e conseguem ter sucesso, mas há o risco de problemas futuros caso a área não cicatrize. O procedimento de Microblading – onde é utilizado o Tebori – causa maior abertura na pele e  consequentemente aumenta o risco de não cicatrizar.

Os exames devem estar em dia e dentro dos padrões considerados normais para as condições da pessoa. O pigmento utilizado deve ser de qualidade aliado à eficiência do profissional, que precisa tomar cuidado com o peso da mão para não implementar pigmento na camada errada da pele.

De forma geral, os procedimentos são feitos para durar de seis meses a um ano. Este período é adotado para oferecer à cliente um resultado mais natural, mas é fundamental que cuidados como utilização de protetor solar sejam adotados para que a área não sofra complicações. O objetivo principal do profissional é realçar e valorizar os pontos que a cliente mais gosta e considera fundamentais na face por meio do design e cor adequada dos pigmentos.

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *