Alergia à micropigmentação
3000
post-template-default,single,single-post,postid-3000,single-format-standard,bridge-core-1.0.6,ajax_fade,page_not_loaded,,vertical_menu_enabled,no_animation_on_touch,qode_grid_1300,side_area_uncovered_from_content,qode-content-sidebar-responsive,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-18.2,qode-theme-bridge,disabled_footer_top,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.5,vc_responsive
 

Alergia à micropigmentação

Alergia à micropigmentação

A descoberta da alergia à micropigmentação – ou aos produtos utilizados para o procedimento como luvas com pó e cremes – é um fator que influencia diretamente na execução e resultado do trabalho de um profissional. A composição dos pigmentos – orgânicos ou inorgânicos – pode conter substâncias nocivas à sua pele, fator que já impede logo de início a realização do processo.

Os sintomas após a manifestação da alergia variam desde a coceira até a vermelhidão. No entanto, o teste de alergia pode alertar sobre os riscos e até ‘cancelar’ a execução da micropigmentação.

O cuidado com a pele alheia e a ética estipulam que o micropigmentador chame o cliente para fazer um teste um dia antes de realizar o procedimento. Após o preenchimento da ficha de Anamnese – que nada mais é do que um papel com diversas perguntas sobre suas condições de saúde -, o profissional tem em mãos todas as condições de saúde da cliente. A partir disso, será feito um teste de alergia. É imprescindível que o teste seja feito, para a segurança tanto da cliente quanto do profissional.

O teste de alergia consiste em utilizar o instrumento de trabalho – Dermógrafo ou Tebori – para fazer um ‘ponto’ atrás da orelha da cliente com o pigmento que será utilizado na micropigmentação. Em alguns casos, a vermelhidão e coceira aparecem nos primeiros 15 minutos, manifestando o resultado negativo. O cliente precisa conversar com o profissional a respeito de suas condições de saúde e, se necessário, levar autorização médica para a realização do procedimento. Além disso, é obrigatório que o profissional utilize produtos registrados pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), órgão responsável por normas e regras estipuladas para estúdios de micropigmentação que desejam estar de acordo dentro da lei. É necessário lembrar que a utilização de produtos de origem “duvidosa” podem prejudicar ambas as partes envolvidas no procedimento.

 

3 Comentários
  • Andressa
    Postado as 21:33h, 28 setembro Responder

    Boa noite. A micropimentação da alergia dando coceira em outras partes do corpo?

    • ewcosmeticos
      Postado as 22:07h, 10 novembro Responder

      Olá Andressa,

      Não, normalmente a região onde o pigmento foi implantado fica extremamente vermelho e com inchaços. Desconhecemos que se espalhe para outras partes do corpo.

  • ewcosmeticos
    Postado as 21:45h, 10 novembro Responder

    Olá Sandra tudo bem?

    Pode-se fazer um teste alérgico antes, pede para o profissional fazer uma pontinha atrás da orelha. Se houver alguma reação nas próximas horas o ideal é que não faça o procedimento. Se existe algum tipo de produto que sua irmão tenha alergia fale para o profissional, as vezes a alergia não é do pigmento e sim de outros produtos que podem ser usados nos procedimentos, como anestésico, cosméticos e etc.

Postar um Comentário